Obras do Arco Leste e Contorno Norte precisam de transparência

As obras do Arco Leste, já em andamento, e o projeto do Contorno Norte entraram na pauta de discussões do Observatório de Gestão Pública de Londrina. Na última reunião, dia 13 de abril, a equipe decidiu que vai sugerir aos órgãos competentes mais transparência nos projetos de planejamento urbano do município. Para debater o assunto, o arquiteto urbanista Renato Alves, aposentado do Ippul, participou da reunião a convite do Observatório.

Renato falou sobre o projeto do Contorno Norte, na região Norte de Londrina, ligando Ibiporã a Cambé, que deve passar por algumas mudanças. O primeiro projeto do Contorno Norte é do final da década de 1990, do período de concessões de rodovias para empresas de pedágio, e pode ter ser seu trajeto alterado, uma vez que a disposição da área urbana e necessidades do município sofreram alterações em quase duas décadas.

Segundo Renato, na última audiência pública sobre o projeto, realizada em 17/03, ficou estabelecida a criação de uma comissão da Câmara Municipal de Londrina para acompanhar o desenvolvimento do projeto junto ao Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER). Para poder acompanhar a evolução do projeto e, posteriormente, as obras do Contorno Norte, o Observatório decidiu solicitar ao DER o cronograma do novo projeto.

O problema na questão do Contorno Norte é histórico, desde o Governo Lerner há favorecimento da administração pública estadual para com as concessionárias do pedágio. Atualmente o Governo tem tentado retirar a obrigação da Econorte de construir o Contorno Norte, sendo que a obra já foi paga pelo contribuinte, através dos pedágios.

Sobre as obras do Arco Leste, que já estão em andamento, a equipe vai pedir ao município, por meio de ofício, todo o projeto desse contorno, uma vez que pelo site do município o projeto é difícil de ser visualizado e parece não haver clareza nem dentro do Ippul, segundo o urbanista Renato Alves. Há alguns traçados, segundo a equipe da instituição, que precisam ser melhor estudados. Entre esses traçados, a avenida ou ponte passando pelo parque Arthur Thomas.

Capina e roçagem

Na reunião de quinta-feira, a equipe do Observatório voltou a debater o contrato para o serviço de capina e roçagem da CMTU e organizou as próximas demandas a respeito do tema. Na reunião do dia 06 de abril, o diretor de operações da companhia - Edvaldo Moreno Alves e Álvaro Marcos, participaram a convite do Observatório e abordaram alguns pontos do contrato em vigência. Eles informaram que as equipes disponíveis atualmente não são suficientes para executar o serviço em toda a cidade, principalmente após uma supressão realizada no final do ano passado que reduziu o número de trabalhadores.

Na ocasião a equipe do Observatório destacou que apenas a realização da roçagem não é efetiva, pois o mato volta a crescer rapidamente, o que acaba gerando desperdício de recursos. O ideal, para a entidade, é que houvesse também a capina do mato, que está prevista em contrato, e o plantio de grama.

Após debate sobre o contrato, a equipe decidiu buscar mais informações sobre o tema e consultar especialistas em jardinagem, produtores de grama e agrônomos; analisar o plano de arborização do município e conferir o que consta no documento sobre o plantio de grama em Londrina; solicitar informações a outros Observatórios pelo País sobre os contratos de capina e roçagem dos municípios; conversar diretamente com o presidente da CMTU; e convidar a empresa que realiza os serviços atualmente, a Costa Oeste, para uma reunião do Observatório.

Compra Londrina

Em reunião do programa Compra Londrina, na semana passada, com representantes de várias entidades, entre elas Sebrae, Observatório e Prefeitura, foi instaurada uma comissão de planejamento e execução do programa. Para a equipe do Observatório trata-se de um passo importante para o bom desempenho do programa. A prefeitura tem dado prioridade ao programa, nomeando o presidente da Codel, Nado Ribeirete, para presidir essa comissão.

Reunião

Também entrou na pauta da última reunião do Observatório os resultados da reunião do Comitê Gestor do Plano de Transparência, que aconteceu no início da semana passada. Além disso, a equipe da instituição estabeleceu uma data para tratar sobre o planejamento estratégico do Observatório, marcada para 13 de maio, às 8h.

 

Observatório tem nova diretoria

A nova diretoria do Observatório de Gestão Pública de Londrina tomou posse ontem, 06 de abril. O novo presidente da instituição, o advogado Roger Striker Trigueiros, foi eleito para o biênio 2017-2019 em Assembléia Ordinária que aconteceu em 16 de março deste ano. Ele assume a presidência no lugar do jornalista Fábio Cavazotti, que esteve à frente do Observatório nos últimos 2 anos. Na vice-presidência assume o advogado Rafael Carvalho Neves dos Santos.

Durante a cerimônia de posse, Cavazotti ressaltou a evolução da atuação do Observatório, que foi fundado em 2009. O jornalista lembrou das várias licitações que a equipe da instituição monitorou nos últimos anos, nas quais se manifestou e como contribuiu para a melhoria desses processos. “Observamos muitos avanços na área de compras municipais. Mas ainda há muito o que melhorar e Londrina ainda pode ser modelo no quesito transparência e excelência em licitações”, pontuou. Fábio Cavazotti e o primeiro presidente do Observatório, Waldomiro Carvalho Grade, integram a nova diretoria nos cargos de Diretor de Controle Social e Diretor Administrativo Financeiro.

Roger Trigueiros assume o Observatório com a expectativa de ampliar ainda mais o trabalho da instituição. Durante a cerimônia, ele frisou que há uma troca na diretoria, mas não uma quebra nos princípios e objetivos que norteiam o Observatório. “Os princípios construídos nos últimos anos serão mantidos. E vamos tentar fazer melhorias e aprimorar nossas ações”, destacou o advogado. Ele pontuou que para sua gestão pretende trabalhar para buscar a excelência dentro do serviço público. “Vamos trabalhar para que os contratos públicos sejam feitos da forma mais eficiente possível”.

Trigueiros ressaltou a atuação em conjunto da equipe do Observatório. “Somos uma equipe desde o início”. O advogado faz parte do grupo que fundou o Observatório, sempre integrou as diretorias da instituição e aceitou se candidatar à presidência a convite dos demais membros. Ele também é membro fundador do Centro de Direitos Humanos de Londrina (CDH) e ex-diretor da Associação Recreativa Londrinense (Arel).

Nova diretoria

 

Presidente: Roger Striker Trigueiros
Vice-Presidente: Rafael Carvalho Neves dos Santos
Diretor de Controle Social: Fábio Cavazotti e Silva
Vice-Diretor de Controle Social: Marcio Horaguchi da Silva
Diretor de Assuntos Administrativos-Financeiros: Waldomiro Carvalho Grade
Vice-Diretor de Assuntos Administrativos-Financeiros: Emerson Rogerio Rodrigues
Diretora de Parcerias e Relações Institucionais: Ana Paula dos Santos
Vice-Diretora de Parcerias e Relações Institucionais: Rosemary Batista de Oliveira

Conselheira Fiscal: Vera Lucia Tieko Suguihiro
Conselheira Fiscal: Simone Damazio Pilatto
Conselheira Fiscal: Rosane Fiori

Serviço:

A cerimônia de posse foi transmitida ao vivo pelo perfil do Observatório no Facebook. Quem tiver interesse, os vídeos estão nos links abaixo:

https://www.facebook.com/234613283220845/videos/1704489962899829

https://www.facebook.com/observatoriodegestaopublicadelondrina/videos/1704511106231048/

Relatório de atividades 2016

O Observatório de Gestão Pública de Londrina publica seu relatório de atividades realizado em 2016.

Foram analisadas 38 licitações, que somaram a quantia de R$68.619.616,48. Destas o Observatório manifestou-se em 15 casos. 

Relatório 2016:

Capa - Relatório 2016

 

O Observatório manifestou-se em 15 licitações, conforme tabela abaixo:

Manifestações

O Observatório de Gestão Pública de Londrina contribuiu para a melhoria de processos, garantindo maior publicidade ao cobrar que arquivos não fossem excluídos, originando a Orientação n°005/2016 da Controladoria-Geral do Município. Questionamos gastos para apresentação musical para a prefeitura e veículos de luxo para a UEL. Também questionamos discrepâncias de preços em um edital de compra de móveis, utensílios e eletrodomésticos, como por exemplo um paneleiro cotado a R$924,97 pela administração pública e por R$417,98 pelo Observatório. Nos reunimos com a prefeitura para discutir a compra de protetores solar que tem sido criticados pelos servidores que os utilizam; E também para discutir sobre o planejamento na compra de hortifrutigranjeiros e os problemas em relação à dificuldade de entendimento do edital. Além de muitos outros casos.

Caminhamos para um novo momento na gestão pública do município, onde estamos lutando pela melhoria no planejamento das compras públicas no município, como forma de se aumentar a eficiência e participação de empresas nas licitações de Londrina.

Participe você também e contribua para a melhoria de nossa cidade!

 

Agradecemos nossos parceiros:

Parceiros 2016

Você está aqui: Home Imprensa NOTÍCIAS