OGPL solicita transparência sobre serviços de recapeamento

O Observatório de Gestão Pública de Londrina encaminhou ofício à Prefeitura de Londrina solicitando maior transparência nas informações sobre os serviços de recapeamento asfáltico da cidade. Na última semana, chegou ao conhecimento da instituição, a notícia de que parte dos vereadores do Município havia vetado projeto de lei que visava a publicidade e a transparência dos serviços de recapeamento asfáltico realizados pela Secretaria Municipal de Obras e Pavimentação de Londrina.


A proposta (PL nº 177/2017) pretendia a publicação mensal no Jornal Oficial e no site da Prefeitura de Londrina do cronograma de pavimentação das vias e dos logradouros públicos executados pela Secretaria Municipal de Obras e Pavimentação.

A justificativa do autor, o vereador Felipe Barros, era de que a proposta além de conferir maior transparência às ações do Executivo e promover maior eficácia da informação especialmente diante da participação do Município de Londrina no Consórcio Público Intermunicipal de Inovação e Desenvolvimento do Estado do Paraná (CINDEPAR), ainda oportunizaria aos munícipes a fiscalização do efetivo cumprimento desses serviços.

A principal razão do veto dos vereadores consistiu no parecer contrário à proposta emitido pela assessoria jurídica da Casa, por entender que esta violaria a regra da separação dos poderes.


Incitada a também manifestar-se sobre o projeto de lei proposto, a Secretaria Municipal de Obras e Pavimentação se posicionou igualmente contrária, alegando que as publicações das obras já eram atualizadas mensalmente através do Sistema SIGLON e os dados referentes às obras contratadas pelo Município são atualizadas e divulgadas no Portal da Transparência do Município.

Porém, quando o OGPL tentou realizar a consulta no sistema e no portal indicados, as informações não estavam disponíveis. Além disso, o sistema SIGLON é bastante complexo e de difícil manuseio para os cidadãos.

Em que pese o projeto de lei ter sido vetado, o Observatório, como representante da comunidade londrinense e entidade de controle social, não poderia se manter silente diante de questão tão relevante como a pretendida no projeto de lei citado, nem tampouco deixar de lutar e contribuir para que a publicidade e a transparência dos atos administrativos e dos gastos públicos do nosso Município sempre prevaleçam e mantenham-se em evidência. Confira o ofício completo:

Projeto Recrutando Vidas vence o 3° Prêmio Londrina de Cidadania

O 3° Prêmio Londrina de Cidadania divulgou os vencedores na noite de terça-feira (28 de novembro), no auditório do Sincoval. Promovido pelo Observatório de Gestão Pública de Londrina (OGPL), o prêmio é um incentivo e reconhecimento das boas práticas no município, sejam elas de iniciativas pessoais ou de grupos. O projeto Recrutando Vidas foi o grande vencedor entre os dez finalistas. Vista Bela Biblioteca Solidária e Clube das Mães Unidas ganharam o segundo e terceiro lugar, respectivamente.

Na cerimônia de apresentação dos finalistas, crianças e jovens assistidos pelo projeto Recrutando Vidas (ProRev) compareceram em peso. A ideia de mostrar o impacto social em uma das comunidades mais carentes da zona sul de Londrina, deu certo.

O trabalho foi o grande destaque entre os 10 finalistas e conquistou o primeiro lugar, com uma premiação no valor de R$ 5 mil. "Foi uma surpresa porque todos os trabalhos que estavam concorrendo eram ótimos. Foi um super prêmio para nós. Vai direto para nossa conta, ajudar na construção da nova sede", comemorou a presidente e fundadora do projeto, Diva Euclides Correia.

O ProRev atende 75 crianças e jovens no bairro São Marcos, com aulas de jiu-jitsu, inglês, música, cidadania e ética cristã. As aulas são ministradas por dois monitores e 15 professores voluntários. Para realizar esse atendimento há 11 anos, o grupo conta com a ajuda de parceiros e realiza promoções.

O segundo lugar ficou com o projeto Vista Bela - Biblioteca Solidária (ACEVB), que comemorou a conquista do prêmio de R$ 3 mil, com muitas lágrimas. Idealizado por Josileide Batistela em 2016, o projeto havia acabado de perder o imóvel da sede.

“Levar um prêmio desse para dentro do Vista Bela é transformador. Com esse dinheiro, vamos garantir o aluguel de um novo imóvel, alimentação, pagar as contas de água, luz e internet, por pelo menos um mês”, vibrou Josileide.

O Vista Bela Biblioteca Solidária atende hoje, 285 crianças com atividades culturais, esportivas e educativas, eventos de lazer, oferta de alimentação, acompanhamento psicológico, cultivo de horta orgânica, entre outros. Para manter todo esse trabalho, a equipe de voluntários conta com a ajuda de doações e organização de bazares.

O terceiro prêmio, no valor de R$ 2 mil, foi para o Clube das Mães Unidas, reconhecendo o trabalho de 37 anos, em educação profissional e inclusão produtiva. O grupo apresentou depoimentos de jovens atendidos na sede.

“É a primeira vez que participamos desse prêmio e tivemos nosso trabalho reconhecido. Estamos muito felizes e vamos usar esse dinheiro para ampliar nosso espaço de beleza, que é nossa maior demanda”, conta Daniele Godoy Agostini Rodrigues, assistente social. Só nos cursos de beleza e estética, são capacitados mensalmente, cerca de 180 alunos a partir dos 16 anos. 

Os vencedores foram avaliados por um corpo de jurados e o critério de avaliação dos trabalhos envolveu o impacto e desenvolvimento social, e a proatividade dos gestores. Todos os demais selecionados também foram premiados com a quantia de R$ 500,00.

Foram eles: ADA- Associação Defensora dos Animais, Projeto Dançando um Sonho, Cursinho Fenix, Vocal Tok de Amor, SOS Vida Animal, Morada de Deus – Centro de Assistência e Recuperação de vidas e Associação Espaço Thalita Cumi.

O presidente do Observatório, Roger Striker Trigueiros definiu esta terceira edição do prêmio como emocionante e um estímulo para os próximos anos. “É gratificante ver muitas pessoas realizando grandes trabalhos diante de tantas adversidades e criando exemplos de vida, de amor. Cada projeto com sua característica, tem oferecido experiências ricas que tornam nossa cidade mais fraterna, calorosa”, destaca.

Prêmio Londrina de Cidadania integra a 4ª Semana de Transparência e Combate à Corrupção.

Sobre o OGPL

O Observatório de Gestão Pública de Londrina é uma instituição independente, que desde 2009 atua em prol da correta aplicação dos recursos públicos. A instituição local faz parte da rede de observatórios coordenada pelo Observatório Social do Brasil (OSB), que já congrega unidades em todo o País.

Finalistas

Recrutando vidas

Projeto Vista Bela

 

 

Clube das Mães Unidas

Observatório anuncia finalistas do Prêmio Londrina Cidadania

O Observatório de Gestão Pública de Londrina realiza na terça-feira (28) a cerimônia de premiação dos finalistas do 3 Prêmio Londrina Cidadania. Os dez projetos selecionados apresentarão suas atividades a um corpo de jurados que escolherão os três grandes vencedores. A cerimônia será às 20 horas, no auditório do Sincoval (Rua Ana Neri, 300), como atividade integrada à IV Semana de Transparência e Combate à Corrupção.

Na ocasião, os concorrentes terão até 10 minutos cada para apresentar suas iniciativas ao corpo de jurados.

Os dez finalistas são: ADA- Associação Defensora dos Animais, Projeto Recrutando Vidas, Projeto Dançando um Sonho, Cursinho Fenix,Vocal Tok de Amor, SOS Vida Animal, Morada de Deus – Centro de Assistência e Recuperação de vidas, ACEVB – Projeto Vista Bela – Biblioteca Solidária, Clube das Mães Unidas  e Associação Espaço Thalita Cumi.

O primeiro lugar será agraciado com um prêmio em dinheiro no valor de R$ 5 mil. O segundo colocado receberá R$ 3 mil e o terceiro, R$ 2 mil. Os outros finalistas receberão R$ 500,00.

O objetivo do prêmio é reconhecer e incentivar a prática cidadã no município.

 

Reflexiva Pés Vermelhos vence concurso de debates

A equipe Reflexiva Pés Vermelhos, formada por Leonardo Filiputti, Luiz Henrique Batirola e Vitor Paiva, foi a campeã do Concurso de Debates do OGPL realizado no dia 18 de novembro. Os vencedores enfrentaram a equipe JCL no debate final, sobre o tema “Passe Livre para os Estudantes”. Antes, no debate classificatório, a Reflexiva e a equipe Retoricamente debateram sobre “Limites do Poder Judiciário”. Já a JCL enfrentou a equipe Tanto Faz em debate sobre “Impostos Sobre Grandes Fortunas”.

debate site
“Já participei de debates na faculdade, mas aprender as técnicas com os professores que deram treinamento para os concorrentes foi muito interessante”, elogiou Filiputti, que é estudante de Psicologia da Unifil.
Batirola, também do time vencedor, avaliou que a experiência é muito importante para o crescimento pessoal e profissional. “É uma atividade muito democrática”, disse ele, que estuda Direito na PUC e faz parte do Rotaract Pé Vermelho. Paiva, estudante de Direito da Unifil, destacou que aprendeu muito ao defender ideias com as quais não concordava. “Entendi que há pontos positivos nos dois lados”, opinou.
O concurso de debates foi uma iniciativa do Observatório em parceria com a JCI. “Conheci o modelo em um encontro da JCI em São Paulo e quis trazer para Londrina”, afirmou Mario Luiz Trevelin Júnior, da JCI e que também exerce a função de secretário geral do Conselho Municipal de Políticas Públicas para a Juventude. “É uma forma de aprender sobre oratória e incentivar a formação de lideranças”, disse.
Fabio Molin, do Conselho da Transparência de Londrina, foi um dos jurados do concurso e elogiou a iniciativa. “Debater é sempre importante, chama a atenção o fato de jovens se interessarem pelo concurso”, disse.
Robson Mendonça é coach de debates e deu algumas dicas sobre a arte de argumentar aos participantes em eventos anteriores. “Quanto mais argumentos, menos se perde a razão”, ensina, lembrando que conhecer o assunto é importante para debater, mas postura e entonação da voz também colaboram. “Quem está seguro sobre os próprios argumentos, não incorre no erro de agredir ou fazer ofensas pessoais”, afirma

Você está aqui: Home Imprensa NOTÍCIAS